Entendendo os terremotos no México

Explique para seus alunos através dessa sequência didática, como ocorrem os terremotos e os motivos da sucessão de abalos sísmicos no México.

Por Artur Boligian Neto

Publicado em 25/09/2017

Em quais conteúdos trabalhar?

Coleção Geografia Espaço e Vivência Volume 9: Capítulo 15 - "A bacia do Pacífico", com a tématica sobre "O círculo de Fogo e a bacia do Pacífico".

Coleção Geografia Espaço e Vivência Volume 6: Capítulo 12 - "O relevo e os fatores internos", com as temáticas que abordam sobre "Como é a terra por dentro?" e "O tectonismo e o movimento das placas".

Volume Único Geografia Espaço e Identidade: Unidade 3 - "As dinâmicas hidrológicas e litosférica", com o capitulo 13 - "A dinâmica litosférica e as paisagens terrestres".

 

Para entender a discussão:

 

No dia 19 de setembro do ano de 1985, a capital do México (Cidade do México) viveu um catastrófico terremoto, que matou aproximadamente dez mil pessoas. Após 32 anos, uma terrível coincidência. Um violento terremoto de magnitude 7,1 da escala Richter atinge novamente o México, no mesmo dia e no mesmo mês, fazendo mais um rastro destruição com elevados números de mortos e feridos no país. Apesar da coincidência, sismólogos afirmam que não há relação entre os dois terremotos.

No dia 8 de setembro de 2017, poucos dias antes deste último sismo registrado, um terremoto de magnitude 8,2 abalou o sul do México, chegando afetar também a capital do país. Os dados geológicos captados pelos sismógrafos, demostram que o abalo sísmico foi um dos maiores no México nos últimos 100 anos. Mas porque ocorrem os terremotos? E quais são os motivos dessa sucessão de abalos sísmicos intensos no México? 

 

Foto 1: Imagem dos estragos causados pelo terremoto que atingiu o México em setembro do ano de 1985 (créditos – Folha de São Paulo)

Foto 2: Imagem do estragos causados pelo terremoto que atingiu o México em setembro 2017 (créditos –Notícias do Mundo)

 

O planeta Terra tem atualmente 12 placas tectônicas principais e muitas subplacas de menores dimensões. O deslocamento dessas placas tectônicas é decorrente de forças endógenas do planeta, geradas por correntes de convecção no interior do manto terrestre. Pode-se dizer que essas forças são responsáveis pela existência de zonas de grande tensão na superfície terrestre, sobre tudo nas áreas de contato entre as placas litosféricas – ou seja, nos limites de placas. Quando o limite de resistência de uma camada é atingido, as rochas se rompem e propagam deslocamentos, criando falhas e ondas sísmicas que se propagam em todas as direções.

Nessas regiões, ocorre intensa atividade tectônica, como terremotos, erupções vulcânicas, dobramentos e falhamentos da crosta.  A maioria dos chamados sismos ou terremotos ocorre nos limites de contato das placas tectônicas.

1) Conjuntamente com seus alunos observe no mapa a seguir, a localização do México, e repare quantas placas envolvem o território do país. 

 

 Figura 1 - Mapa das placas tectônicas 

 

Quando o limite de resistência de uma camada é atingido, as rochas se rompem e propagam deslocamentos, criando falhas e ondas sísmicas que se propagam em todas as direções. Os terremotos ou abalos sísmicos são vibrações que fazem a crosta terrestre tremer e podem ocasionar intensas transformações nas paisagens.

2) Acesse o site do Monitor de terremotos  e o Painel Global de monitoramento da terra e acompanhe em tempo real com seus alunos os alertas de abalos sísmicos pelo mundo. Em seguida, compare os alertas o com mapa do círculo fogo.

 

    

 Figura 2 – Mapa Círculo de Fogo

 

 

Figura 3 - Mapa com as atividades tecnonicas em tempo real (Painel Global de monitoramento da Terra

 

Figura 4 - Mapa om as atividades tecnonicas em tempo real (Monitor de terremotos - apolo11)

 

Após feita essa comparação, localize o México no mapa e relacione os terremotos ocorridos com a característica do pais encontrar-se na borda de contato entre importantes placas litosféricas, entre elas a pacífica.

Explique que grande parte do território mexicano encontra-se sobre o extremo sudoeste da placa norte-americana. Essa placa se encontra com a placa de cocos, sobre a qual é encontrado o oceano pacifico, que banha as costas ocidentais da América central. A placa de cocos é responsável por entrar por baixo da placa norte americana, provocando um processo chamado de “subducção”, responsável por tensão, que em determinados períodos de tempo, é liberada sob a forma de terremotos.

O choque entre essas duas placas também é a causa da grande concentração de vulcões na região conhecida como o “Arco Vulcânico Centro-Americano”.

Quase todo o território mexicano se encontra na borda de uma das placas da crosta terrestre sob a qual outra se move, o que provoca a alta sismicidade da região. Ambos terremotos ocorridos no México (o primeiro do dia 08/09/17 e o segundo do dia 19/09/17), são consequência da convergência do fundo do Pacífico, sobre a placa de Cocos e a placa norte-americana sobre a qual se assenta o território mexicano.

A consequências entre esses choques podem variar de uma leve sensação de desequilíbrio até desmoronamento de cidades inteiras, com prejuízos materiais e perda de vida humanas, como os recentes terremos no México.

Embora incessantes pesquisas sobre a origem dos terremotos sejam realizadas, ainda não é possível prever com precisão quando e com que intensidade um abalo sísmico vai ocorrer.

 

Para ir mais longe em casa e na sala de aula:       

Por que o México tem terremotos? (El Pais)

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/20/internacional/1505919204_074699.html

Vídeos mostram momentos de pânico após terremotos no México (El Tiempo)

https://www.youtube.com/watch?v=Vgxjoq00hrA

 

Plano de aulas – Portal do Professor (MEC)

Aula - A dinâmica da Terra

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=30506

Aula - Um olhar sobre o relevo terrestre, as placas Tectônicas e os impactos causados pelos Terremotos e Tsunamis – UCA

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=30463

 

 

Voltar
>