Imigração venezuelana para o Brasil

Quer mais sobre as causas e consequências do fluxo migratório de venezuelanos para o Brasil?

Publicado em 22/08/2018

Em quais conteúdos trabalhar?

Coleção Geografia Espaço e Vivência Volume 8: Unidade II, capítulo 4 - “Espaço, poder e territórios nacionais” e capítulo 12 - “América Latina: influências externas e projetos de integração”.

Coleção Geografia Espaço e Vivência Volume 9: Unidade I: capítulo 3 com a temática sobre “Os fluxos populacionais.

Coleção Geografia Espaço e Identidade – Ensino Médio – Volume Único: Unidade  11- “Desigualdades, conflitos e tensões no mundo contemporâneo”, capítulo 37 - “Globalização, trabalho e desigualdades sócioespaciais” e capítulo 38 - “Conflitos e tensões no mundo globalizado”.

Para ficar por dentro do assunto

 Nos últimos dias, imigrantes venezuelanos e brasileiros entraram em conflito na cidade de Pacaraima, no Estado de Roraima, fronteira com a Venezuela, resultando no regresso de cerca de 1.200 venezuelanos para seu território. As tensões regionais, a falta de plano de ação governamental e a xenofobia têm marcado a imigração venezuelana para o Brasil.

 O intenso fluxo migratório para fora da Venezuela tem como origem a turbulenta crise econômica, política e social.  A nação, que abriga as maiores reservas de petróleo conhecidas do mundo, está sobrevivendo com uma recessão profunda, forte desemprego, escassez crônica de bens e uma inflação de 1 mil por centro.

 Segundo os dados das Nações Unidas, entre os anos de 2014 e 2017, aproximadamente 2.3 milhões de venezuelanos deixaram o seu país, uma das maiores imigrações da história recente da América Latina. Por questões geográficas os países contemplados por receber essa corrente migratória são: Brasil, Colômbia, Guiana, Equador e Peru.

 No Brasil, o estado de Roraima é a principal porta de entrada dos imigrantes. Em busca de melhores condições de vida, muitos venezuelanos, sem nenhum recurso financeiro para custear suas passagens de transporte para o Brasil, percorrem a pé por cerca de 9 dias os 218 km da BR-174 que separam as cidades de Pacairama e Boa Vista. 

 É significativo também o número de imigrantes venezuelanos que utilizam o território brasileiro como passagem para outros países. Além disso, é importante citar o movimento migratório pendular de venezuelanos que vêm para o Brasil apenas para fazer compras e voltam para o seu país. 

 Segundo dados da prefeitura de Boa Vista, estima-se que mais de 40.000 venezuelanos já tenham entrado na cidade, o que representa mais de 10% dos cerca de 330.000 habitantes da capital. Porém, não se tem ideia de números precisos de venezuelanos no Brasil, e segundo pesquisadores falta confiabilidade em relação aos dados e demora na análise de pedidos de refúgio.

 Conforme o Estatuto do Refugiado, criado em 1951, pode ser concedido refúgio no Brasil àqueles que sofrem perseguições políticas, étnicas e religiosas. Muitos venezuelanos solicitam esse tipo de visto para que possam trabalhar legalmente no Brasil. Uma das principais consequências da grande passagem de venezuelanos na linha de fronteira em direção ao Brasil é relacionado à não absorção do mercado de trabalho em seu país de origem.

 Segundo especialistas em migração, o Brasil apresenta um baixo número de imigrantes em seu território, em comparação com o PIB, sua extensão territorial e com a população total. No Brasil, apenas 1% de sua população é composta por imigrantes, enquanto a média mundial é de 3,7%.

 Os impactos migratórios têm reflexos na economia regional de Roraima, na política local, na segurança pública e nos serviços públicos. Entretanto, no Brasil, existem diversos estudos de políticas de mobilidade humana, interiorização e distribuição da população imigrante pelo território nacional que deveriam ser colocadas em prática para facilitar a inserção dos imigrantes e ajudá-los a construir suas vidas sem sobrecarregar a economia local.

 A pressão migratória dos venezuelanos em países também desequilibrados devido à crise econômica e o aumento da criminalidade têm provocado situações complexas do ponto de vista econômico, social e de segurança, como no recente caso xenófobo da cidade de Pacaraima.

 Portanto, denominar o fluxo de imigrantes venezuelanos para o Brasil de “crise migratória” é uma opção política do governo brasileiro. A falta de resposta adequada ao problema pode passar a sensação de crise humanitária. A forma como vem sendo tratada a questão reforça o sentimento perverso de xenofobia entre a população brasileira.

Para ir mais longe em casa e na sala de aula

E para você professor, se inteirar mais do assunto, temos aqui mais algumas sugestões bibliográficas, filmes, links de reportagens e vídeos para você acessar.

Nexo Jornal - Como o Brasil lida com a imigração venezuelana

BBB News - Brasil recebe apenas 2% dos 2,3 milhões de venezuelanos expulsos pela crise

El País - Brasil - Êxodo da Venezuela e Nicarágua provoca surtos xenófobos na região

Voltar
>