Aplicativos para necessidades especiais

A tecnologia ť uma grande aliada das pessoas com necessidades especiais; saiba como aproveitŠ-la utilizando os recursos que apresentamos a seguir

Fonte: ivox.com.br; googleplay.com; handtalk.me; unicamp.br

Publicado em 19/09/2018

Livox (Dificuldades de fala - www.livox.com.br)

Carla, de oito anos, tem paralisia cerebral. O pai, o analista de sistemas Carlos Edmar Pereira, queria encontrar uma forma de ajudar a filha a se comunicar. Assim nasceu o aplicativo Livox, considerado o Melhor Aplicativo de Inclusão Social do mundo pela Organização das Nações Unidas (ONU) este ano. O aplicativo permite que pessoas com dificuldade de fala se comuniquem através de figuras, que podem ser personalizadas de acordo com as necessidades da cada um.

O app conta com o recurso IntelliTouch, que corrige o toque imperfeito da pessoa com deficiência motora, e com um teclado virtual que lê as palavras e frases que estão sendo escritas na tela. Também possui conteúdo educativo para ensinar pessoas especiais a lerem, escreverem e entenderem conceito complexos de matemática.

O Livox foi desenvolvido para dispositivos móveis com sistema operacional Android, mas não está disponível para download na loja de aplicativos da Google. Os interessados devem entrar em contato pelo site www.livox.com.br.

   

 livox.png /><br><br><p>Imagine uma crian√ßa poder se comunicar apontando para figuras na tela do tablet ou smartphone. Ou aprender a l√≠ngua dos sinais atrav√©s de um int√©rprete virtual que aparece na tela do dispositivo m√≥vel. Tudo isso j√° √© poss√≠vel com os recursos oferecidos pela tecnologia m√≥vel ou pelo computador. Com o objetivo de facilitar a comunica√ß√£o e o aprendizado de pessoas com necessidades especiais, listamos aqui aplicativos e programas de computador que voc√™ pode baixar e usar:</p><h2 style=

Que-fala! (Dificuldades de fala – Android)

O Livox é o aplicativo voltado a pessoas com dificuldades de comunicação que ficou mais conhecido, mas o Que-fala! pode ser baixado gratuitamente na loja de aplicativos da Google, a Google Play.

O Que-fala! é uma prancha digital que pode ser empregada no lugar de pranchas de papel geralmente utilizadas no tratamento de pessoas com dificuldades de fala. O aplicativo possui um editor on-line para a criação de pranchas personalizadas a fim de atender as necessidades específicas de cada usuário.

Foto: Divulgação

 

Hand Talk (Surdos-mudos - Android, iOS e BlackBerry World)

Este aplicativo, criado por uma equipe de desenvolvedores de Maceió (Alagoas), também já foi considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) o Melhor Aplicativo de Inclusão Social do mundo no ano de 2013. Com a ajuda de Hugo, o intérprete virtual, Hand Talk traduz palavras digitadas pelo usuário para a Língua Brasileira de Sinais (Libras), facilitando a comunicação entre surdos e ouvintes.

Foto: Reprodução

Aramumo (Dislexia – Android)

Este jogo foi criado por alunos do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) para auxiliar crianças com distúrbios de aprendizagem, especialmente a dislexia. No jogo, o usuário escuta uma série de palavras e precisa arrastar bolhas flutuantes contendo sílabas para seus lugares corretos de forma que correspondam às palavras ouvidas. É semelhante a uma palavra cruzada.

Foto: Divulgação

MiniMatecaVox (Deficiência visual – Matemática – PC)

O programa de computador desenvolvido pelo aluno de mestrado da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Henderson de Souza, auxilia crianças com deficiência visual a aprender conceitos de matemática. É indicado para alunos a partir dos seis anos de idade matriculados no Ensino Fundamental.

O software executa, por meio de comandos de voz, atividades elementares de matemática como soma, divisão, subtração e resolução de problemas. O programa também responde usando vozes humanas, inclusive de crianças, para tornar a experiência mais motivadora para o aluno.

O MiniMatecaVox é recomendado como recurso suplementar das aulas de matemática. A primeira aula do programa pode ser solicitada pelo e-mail do pesquisador (henderson.tavaes@gmail.com).

Foto: unicamp.br