Pinhão: estrela de lendas e festivais

Presente no cardápio de muitas famílias dos estados do Sul e Sudeste, pinhão é um alimento nutritivo que pode consumido de diversas formas

Por Mie Francine Chiba

Fonte: www.ambientebrasil.com.br; www.cidadao.pr.gov.br

Publicado em 20/09/2017

Nos estados do Sul e Sudeste, a chegada do clima mais frio é sinônimo de comer pinhão. Para quem sabe, o pinhão é a semente da pinha, fruto proveniente da araucária, que é a árvore símbolo do Estado Paraná.

Para se ter uma ideia da popularidade desse alimento mais ao Sul e Sudeste do Brasil, no mês de realizada a Festa do Pinhão no interior de São Paulo, nos Campos de Jordão. O festival desse ano termina nesse domingo (dia 1o). Lá, são servidos diversos pratos que levam a semente, como risotos e doces, apesar de a semente também ser popularmente consumida sozinha e cozida.

Por fornecer madeira de excelente qualidade, a araucária foi alvo de intenso desmatamento colocando espécie como uma das mais ameaçadas da flora paranaense. O cultivo do pinhão, por outro lado, sido visto como uma maneira de preservar essa árvore, segundo diz o site Ambiente Brasil

Ainda de acordo com o site, o pinhão, que é um alimento muito nutritivo, já era consumido por populações indígenas que viviam no planalto do Sul do País anos atrás. De acordo com o site do Governo do Paraná, a Gralha Azul, ave-símbolo do Estado, também já foi responsável pela disseminação das araucárias território paranaense. Mas, infelizmente, também corre risco de extinção.

O pinhão é o alimento da Gralha Azul no período de inverno. Nessa estação do ano, a bela ave de cor azul se reúne em bandos nos pinheiros e desmancha as pinhas no galho, comendo alguns pinhões e deixando outros caírem no solo para depois germinarem. As gralhas também têm o costume de enterrar essas sementes.

Esse costume já virou até lenda. Dizem que, certo dia, o caçador de uma tribo de índios saiu para caçar e encontrou uma onça; ali também estava a curandeira da tribo inimiga, pela qual ele havia se apaixonado. O índio matou a onça e se aproximou da índia, que se assustou e acabou desmaiando. Ao encontrarem o caçador e a curandeira à beira do rio, os índios da tribo inimiga pensaram mal do que viram e o mataram a flechadas. O índio caçador então se transformou em uma araucária e a índia numa gralha azul. As gotas de sangue do índio são os pinhões que a gralha azul enterra.

 

 

Veja nos vídeos abaixo maneiras diferentes de consumir o pinhão:

Risoto de pinhão

https://youtu.be/E6O2SCXPOPk

Farofa de pinhão

https://youtu.be/TmFzqBJ8TAI

Sopa de pinhão

https://youtu.be/c-Y6JegExtQ

Macarrão com pesto de pinhão e linguiça

https://www.youtube.com/watch?v=WqfvLdiffzk

Voltar
>